==
23 mai

Biseladoras e lapidadoras: aumente o aproveitamento de suas máquinas

Biseladoras e lapidadoras são máquinas essenciais na rotina de qualquer vidraçaria, sendo  responsáveis por moldar e dar dimensões exatas em peças de diversos tamanhos. Devido a tal importância, o perfeito funcionamento delas é algo indispensável, e que pode fazer toda a diferença para os negócios de um estabelecimento.

Para que você consiga aumentar o aproveitamento e tirar o melhor das suas máquinas, nós trouxemos algumas dicas que devem ser seguidas com certa periodicidade. Quer aprender a fazer seus equipamentos renderem como nunca? Então continue a leitura abaixo e confira as dicas da Vidramaq!

 

5 dicas para aumentar o aproveitamento de biseladoras e lapidadoras

 

1. Limpeza e lubrificação

Limpar e lubrificar sua biseladora e/ou lapidadora é fundamental. A Vidramaq recomenda a adoção de uma rotina diária de inspeção mecânica e limpeza e lubrificação. Veja abaixo um passo a passo do que deve ser feito:

 

Mantenha todas as partes em contato com o pó de vidro sempre limpas. Evite o acúmulo deste material.

 

Limpe as escovas frontais com jato forte de água diariamente. Assim, você evita acúmulo de pó de vidro e, como consequência, a perda da função na retenção de respingos.

 

Ao final do expediente, esgote a água do tanque principal e retire o acumulado de pó que se precipitou no fundo do tanque.

 

A cada 15 dias, remova todos os rebolos e suportes porta-rebolo para limpeza e lubrificação. Este passo deve ser seguido rigorosamente, caso contrário o porta-rebolo pode travar no eixo em virtude da exposição ao pó de vidro.

 

Falando mais especificamente sobre a lubrificação, o indicado é que você siga as instruções do fabricante. Porém, algumas orientações periódicas gerais são:

 

Diariamente: lubrificar as superfícies metálicas expostas para garantir proteção contra oxidações;

 

Semanalmente: lubrificar o eixo cardã, os mancais dos rolamentos, as engrenagens e as correntes transportadoras;

 

Mensalmente: lubrificar as pinças dianteiras e traseiras;

 

Bimestralmente: lubrificar as correntes das pinças;

 

2. Água do tanque limpa e resfriada

A água do tanque tem a função de resfriar a usinagem do vidro e de eliminar resíduos. Deve ser trocada regularmente visando a boa qualidade da lapidação/bisotê.

Ao final do dia de trabalho, complete o nível do tanque com água limpa. A água do tanque deve ser substituída a cada dois dias de trabalho do equipamento ou quando a quantidade de pó de vidro ultrapassar uma altura de 10mm do fundo do tanque.

 

3. Uso de peças originais

Existem diversos modelos de equipamentos e peças no mercado local e internacional. É de suma importância que as peças colocadas em seu equipamento tenham sido projetadas e fabricadas especificamente para ele, pois milímetros de diferença nos insertos de uma corrente transportadora, por exemplo, entortam o bisotê.

Há diferenças entre as peças originais e as genéricas que em uma primeira inspeção não são facilmente percebidas mas que com o uso podem prejudicar o desempenho de seu equipamento. Portanto, sempre opte pelas originais!

 

4. Assistência técnica qualificada

Ao perceber qualquer anormalidade, contate uma assistência técnica qualificada. A sua máquina deve funcionar perfeitamente. Caso haja barulhos incomuns, vazamentos d’água, falta de qualidade na lapidação/bisotê ou gasto excessivo de rebolos, um especialista fará uma avaliação determinando a causa do problema e apontando uma solução.

Existem diversos profissionais no mercado, mas é importante contratar os serviços daqueles que são recomendados pelo fabricante. Apenas eles possuem total conhecimento do modelo do seu equipamento e encontrarão a melhor solução. Alguém despreparado para regular o equipamento pode causar ainda mais danos e piorar o problema.

 

5. Cuidado com a troca de rebolos

A troca dos rebolos deve ser feita da maneira correta. Caso ela não seja, há certos riscos que podem afetar suas biseladoras e lapidadoras. Na troca de qualquer um dos rebolos, deve-se observar:

 

Caso a coifa de vedação apresente qualquer rasgo, mesmo sem ter sido danificada, faça a troca dela. Assim, você evita o risco de queima do motomandril;

 

Certifique-se de que o rebolo utilizado contempla o grit ou gramatura certa para cada posição;

 

Antes de colocar um novo rebolo limpe bem as superfícies de contato, passe uma fina camada de graxa nas mesmas e prossiga com a montagem;

 

Utilize sempre rebolos originais de boa qualidade e que tenham as especificações corretas para sua máquina. O uso de um rebolo desbalanceado, por exemplo, pode ocasionar danos ao seu equipamento;

 

No caso específico dos rebolos de feltro das biseladoras, dê sempre preferência para rebolos tipo espiral com seta verde, pois eles possuem uma absorção melhor do óxido de cério, resultando em mais qualidade.

 

Para saber mais sobre o manuseamento e a troca de rebolos, confira nosso post que trata exclusivamente do assunto neste link.

 

Viu como aumentar o aproveitamento de biseladoras e lapidadoras pode ser fácil se você seguir alguns passos? Comece a colocar estas dicas em prática ainda hoje e veja como sua vidraçaria e suas máquinas apresentarão melhores resultados!

Gostou do texto de hoje? Saiba tudo sobre biseladoras, lapidadoras, rebolos e muito mais acompanhando a Vidramaq nas redes sociais! Você pode nos encontrar no Facebook e no Instagram!

RECEBA NOSSAS NOVIDADES POR E-MAIL